Número total de visualizações de página

terça-feira, 27 de abril de 2010

Dia 8

8 Dia:

O refugio de montanha onde ficamos era bom demais...ficamos a dormir até as 6.30.


O pequeno almoço tambem estava incluido e estava a nossa espera á hora marcada, tal como as nossas bikes que nos vieram trazer á porta( estão a ver aqueles hoteis em que levam e trazem os carros? Aqui foi igual...só que com bikes!).
Serviço 5 estrelas, muito atencioso e acima de tudo com muito requinte e bom gosto...

Aconselho vivamente a quem quiser vir aqui e passar um bom fim de semana...para fazer O AMOR...(!)















Paramos ainda em frente a uma estátua de uma bike.


Aqui nesta aldeia morreu em tempo um peregrino a camainho de santiago. A forqueta partiu-se e o ciclista morreu.

Escusado será dizer que esta "imagem" nos veio á cabeça muitas mais vezes no restante caminho.





















Adiante...começamos a descer um single track vertiginoso e muito técnico...
















Foi o delirio total para mim e para o Daniel, mas um pesadelo para o atrelado e os alforges!



Correu tudo bem e chegamos lá abaixo todos inteiros.















Chegamos depois a Ponferrada uma cidade muito bonita e com muito para ver.

























Depois de uma visita aos paços do concelho e de umas boas fotos seguimos viagem.















Paramos para almoçar numa vila muito pitoresca, Cacabelos e aproveitamos pra comprar Isostar pra preparar uma tarde muito desgastante....a subida ao alto do Cebreiro.

Debaixo de um sol tórrido, o meu conta km marcava 39 graus...e nós a pensarmos em subir....

Esta é a ultima grande subida no caminho e que fazia relembrar o primeiro dia na subida aos pirineus.

Ainda nem sequer tinha começado a subida e já estavamos a ferver por todos os lados o que nos obrigava a parar em todas as fontes pra nao ficarmos desidratados.

Cheguei a um ponto em que nao aguentava mais e quando vi um riacho nem pensei duas vezes... Pés e mãos dentro de água e jersey também...















Fiquei fresquinho e em melhor estado pra atacar a longa subida.

O joelho ainda me dói mas a dor continua controlada.

Hoje coloquei uma joelheira elastica e se por um lado até ajuda e não me doeu tanto, por outro lado faz muita impressão a pedalar e acabei por ficar com uma alergia na perna por causa da fricção.

Sempre que viamos uma subida, logo uma interrogação saltava nas nossas cabeças...será esta?

E o raio da subida parecia que nunca mais chegava...até que...apareceu e não havia nada que enganar...era aquela!


Grau de dificuldade elevado, mas ja começamos a ficar habituados.

Aqui foram cerca de 10 km sempre a dar.
Como não queria forçar muito o joelho, subi quase sempre em pé numa mudança mais pesada para não ir ali aos saltos. E até fiz bem a subida. Cheguei a meio da subida e esperei pelo Daniel que vinha em ritmo de passeio(e bem!) fizemos mais um pouco de alcatrão e depois entramos no trilho de terra. Lá em baixo está tudo muito piquinino! a vista é fenomenal...















Aqui é que a dureza aumentou ainda mais...
Álem de ser uma subida inclinada, tinha muitas pedras soltas e alguns sitios só mesmo empurrando a bike.

Demoramos umas 3 horas a chegar bem lá ao alto, mas chegamos bem.

















Depois de umas fotos começamos a procura de um sitio pra ficar e começamos a galgar encosta abaixo.

Cerca de 5 km depois acabamos por encontrar uma residencial onde vamos ficar a dormir.















A etapa de hoje acabou com 86 km e já só faltam cerca de 150 km pra Santiago.

Amanha vamos ter mais um dia de sol, pelo que vamos tentar aproveitar a manha ao máximo.

2 comentários:

  1. Neca és um espectaculo. Tás de Parabéns. Imagino que tenha sido uma grande aventura. Grande abraço e continua assim. Vai dando Noticias..Xavi.

    ResponderEliminar
  2. Que grande aventura. Só me ocorre uma palavra,....espetacular! Obrigado por partilhares, abraço, Luís Sousa.

    ResponderEliminar